Migração das rádios AM - Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial | Migração das rádios AM
Início do conteúdo da página

Migração das rádios AM

Criado em Quarta, 17 Setembro 2014 15:50 | Última atualização em Quinta, 01 Dezembro 2016 17:19

Para atender a uma antiga solicitação de radiodifusores, o decreto presidencial nº 8139 autorizou a migração das emissoras de rádio que operam na faixa AM para a faixa FM. Com a mudança, a expectativa do setor é de que as rádios AM recuperem a audiência. Essas emissoras foram prejudicadas não só por causa da interferência no sinal de transmissão, mas também porque não podem ser sintonizadas por dispositivos móveis, como celulares e tablets ou mesmo rádios de automóveis.

A baixa demanda por novas emissoras AM de caráter local pode ser explicada pela concorrência do serviço de FM e de sistemas mais modernos de comunicação. A faixa FM possui cobertura similar com maior qualidade de transmissão, o que explica o gradual desinteresse na continuidade da prestação do serviço de AM local. Atualmente, 1.772 emissoras operam na frequência de AM em todo o Brasil. Elas estão divididas de acordo com o alcance: local, regional ou nacional.

As emissoras têm até um ano para solicitar a mudança da frequência de AM para FM. Depois da autorização do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, essas emissoras podem continuar operando nas duas faixas por um período de cinco anos, até a migração definitiva.

Nas localidades com espectro cheio, essas emissoras terão de aguardar a liberação do espaço que vai ocorrer com a digitalização da TV no país. Os canais 5 e 6, que hoje são ocupados por canais de TV analógicos, serão desocupados e destinados à FM. Hoje, as FMs são sintonizadas na faixa de 87.9 MHz a 107.9 MHz. Com a liberação dos canais, essa frequência será estendida de 76 MHz a 107.9 MHz.

Para fazer a alteração de faixa, os radiodifusores terão alguns custos. Eles deverão pagar a diferença entre o valor da outorga em OM e a de FM. Além disso, deverão ter gastos com equipamentos para transmitir o sinal em FM.

Ao receber os pedidos de migração, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações e a Anatel vão avaliar, caso a caso, a disponibilidade de espaço no espectro, de acordo com o plano básico de distribuição dos canais.

Nas localidades onde não houver espaço essas emissoras terão de aguardar a liberação do espaço que vai ocorrer com a digitalização da TV no país. Os canais 5 e 6, que hoje são ocupados por canais de TV analógicos, serão desocupados e destinados à FM. Hoje, as FMs são sintonizadas na faixa de 87.9 MHz a 107.9 MHz. Com a liberação dos canais, essa frequência será estendida de 76 MHz a 107.9 MHz.

A ação é gerenciada pela Secretaria de Serviços de Comunicação Eletrônica.

Para mais informações, acesse a seção sobre Migração das rádios AM no Espaço do Radiodifusor.

Fim do conteúdo da página